Fundamentos epistemológicos para uma EJA Prisional no Brasil

  • Roberto da Silva Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação da USP
Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos, Educação Prisional, Educação de Presos

Resumo

No esforço para se conceber metodologias e didáticas adequadas ao sistema prisional e à pessoa privada da liberdade, se faz necessário depurar a denominada EJA Regular de seus elementos estranhos, de suas impropriedades e de suas distorções, o que já foi adequadamente feito por Sônia Couto Feitosa (2012), Roberto Catelli Junior et alli (2013), Di Pierro (2018), dentre outros. Agora cabe à Pedagogia, enquanto a própria Ciência da Educação, explicitar sua visão de Universo, de Vida, de Ser Humano e de Mundo para desvendar o processo de construção do conhecimento humano e assim situar a especificidade da pessoa privada da liberdade e os efeitos deletérios do aprisionamento sobre ela. Sendo um subgrupo formado por mais de 700 mil indivíduos, predominantemente masculino, jovem, de baixa escolaridade, baixa qualificação profissional, afrodescendente e originário de periferias urbanas, que permanece em média oito anos na prisão, as condições de encarceramento no Brasil são fatores determinantes na forma como se faz a produção e a mediação do conhecimento dentro da prisão, que tem peculiaridades que não se aplicam a outros grupos e subgrupos humanos. Este artigo considera a EJA Prisional como parte constituinte de um Projeto Político Pedagógico para a Educação em Prisões e incorpora os princípios consignados na Resolução nº03/2009, que definiu as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto da Silva, Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação da USP
Professor Livre Docente do Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. E-mail: kalil@usp.br

Referências

BNCC – Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base. Ministério da Educação: Brasília, DF: s/d.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão; Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC; SEB; DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica . RESOLUÇÃO Nº 3, DE 13 DE MAIO DE 2016. Define Diretrizes Nacionais para o atendimento escolar de adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=41061-rceb003-16-pdf&category_slug=maio-2016-pdf&Itemid=30192. Aceso em 10 set 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. RESOLUÇÃO Nº 2, DE 19 DE MAIO DE 2010. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=5142-rceb002-10&category_slug=maio-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em 10 set 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 5 DE JULHO DE 2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação e Jovens e Adultos. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB012000.pdf. Acesso em 10 set 2019.

CATELLI JUNIOR, Roberto; ESCOURA, Michele; GONÇALVES, Edneia; MAGNANI, Luiz Henrique; MATOS, Leonardo Luiz de; SERRAO, Luis Felipe Soares. Proposições de organização curricular na educação de jovens e adultos. Cadernos Cenpec, São Paulo: v.3, n.2, p.162-186, jun. 2013.

D'AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática. Autêntica: São Paulo, 2006.

DI PIERRO, Maria Clara. O desenvolvimento local como componente da formação de educadores de pessoas jovens e adultas. IN: SILVA, Fernanda A. O. Rodrigues et al. (Orgs.). Diálogos da formação docente com diferentes sujeitos e espaços educativos. Curitiba: CRV, 2018, p. 343-356.

FEITOSA, Sônia Couto Souza. Das grades às matrizes curriculares participativas na EJA: os sujeitos na formulação da Mandala Curricula. (Tese de Doutorado). São Paulo: Feusp, 2012.

GARDNER, H. Inteligências múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artmed, 1995

JORAY, S.; HERRMANN, F.; MULLIGAN, R.et al. Mechanism of disorientation in Alzheimer’s disease. Eur Neurol. 2004; 52(4): 193-7

LE MOIGNE, Jean-Louis. A teoria do sistema geral: teoria da modelização. Lisboa : Instituto Piaget, 1977.

MERZENICH, Michael.. Soft-Wired: How the New Science of Brain Plasticity Can Change Your Life. 2nd. ed., San Francisco: Parnassus Publishing, 2013.

RAHER, David William; SCHLIEMANN, Analúcia Dias; CARRAHER, Terezinha Nunes. Na Vida Dez na Escola Zero. 3 ed. São Paulo: Cortez Editora, 1989.

SILVA, Roberto da; SOUZA NETO, João C; MOURA, Rogério, MACHADO, Evelcy; CARO (orgs). Pedagogia Social: Contribuições para uma Teoria Geral da Educação Social. São Paulo: Expressão e Arte, 2011.

SILVA, Roberto da. MOREIRA, Fábio Aparecido; OLIVEIRA, Carolina Bessa Ferreira de. Ciências, Trabalho e Educação no sistema penitenciário brasileiro. Caderno Cedes, Campinas: v. 36, n. 98, p. 9-24, jan.-abr., 2016.

SILVA, Roberto da. Os filhos do Governo: a formação da identidade criminosa em crianças órfãs e abandonadas, São Paulo, Ática, 1997.

VYGOTSKY, L. S; LURIA, A. R, Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primata e a criança. Porto Alegre: Artmed, 1996.

WOLF, James R. ARKES, Hal R. Judgment and Decision Making, Vol. 3, No. 6, August 2008, pp. 476–482

ZONNEVELD, Bert . The Neurological Examination. Maastriche University, Nederland: Mediview, 2010.

Publicado
2020-02-10
Como Citar
da Silva, R. (2020). Fundamentos epistemológicos para uma EJA Prisional no Brasil. REVISTA BRASILEIRA DE EXECUÇÃO PENAL - RBEP, 1(1), 59-76. Recuperado de https://rbepdepen.mj.gov.br/index.php/RBEP/article/view/49